x
 INSTITUCIONAL
 PRODUTOS
 SERVIÇOS
 EXCLUSIVO
 ARTIGOS
 IMPRENSA
 AGRICULTURA
 MIP
 +55 19 99695-2666
x
NEOMIP MAX
MACROMIP MAX
STRATIOMIP
TRICHOMIP-P
TRICHOMIP-G
Eficácia e Praticabilidade Agronômica
Estudos de Resíduos Químicos
MIP
Seletividade (Organismos Não Alvo)
Menu E-Commerce Busca
 
 

Você está em: Imprensa

 
 
 
 
2017-09-21
Soja: manejo integrado de pragas e doenças reduz uso de defensivos em 45%
 
 
Na safra passada, estudo constatou a prorrogação da primeira aplicação de inseticida aos 70 dias de evolução da lavoura
 

Estudos realizados pela Emater-PR e a Embrapa Soja, de Londrina, mostram que é possível reduzir o uso de defensivos nas lavouras de soja. Os técnicos vêm acompanhando as lavouras, por meio de unidades demonstrativas, onde adotaram técnicas de Manejo Integrado de Pragas e Doenças. Os resultados que apontam a redução no uso de fungicidas nas lavouras de soja no Paraná da safra 2016/2017 foram apresentados na terça-feira (19/09) durante evento em Londrina.

Para a apresentação desses resultados foram lançadas duas publicações: “Resultados do Manejo Integrado de Pragas da Soja na safra 2016/17”, editada pela Embrapa e Emater. E também “Monitoramento de  Phakopsora pachyrhizi para tomada de decisão do controle da ferrugem-asiática da soja: relato da experiência da Emater-PR na safra 2016-2017”.

“Pretendemos apresentar informações qualificadas aos técnicos para que eles auxiliem os produtores nas tomadas de decisão, referentes a alguns dos principais temas que impactam a produção de soja”, diz o coordenador do projeto Grãos da Emater-PR, Nelson Harger.
 

Redução na aplicação de fungicidas

Conforme os resultados apresentados, nas unidades demonstrativas instaladas pela Emater e Embrapa Soja, para acompanhamento do controle de pragas e doenças nas lavouras de soja do Paraná, foi constatada uma redução de 45% na aplicação de fungicidas na safra 2016/2017. Também foi constatada a prorrogação da primeira aplicação de inseticida aos 70 dias de evolução da lavoura, enquanto que na safra anterior a primeira aplicação havia sido aos 66 dias.

Em áreas em que não se fez o Manejo Integrado de Pragas, a média foi de 3,6 aplicações no Paraná, enquanto a aplicação de inseticidas foi reduzida para 2 aplicações nas áreas assistidas. “Confirma-se mais uma vez que o Manejo Integrado de Pragas é uma prática que orienta o produtor na redução do uso de inseticidas”, explica o pesquisador Osmar Conte, da Embrapa Soja.

Além disso, as unidades demonstrativas entraram com a primeira aplicação de inseticidas aos 70 dias, enquanto que na safra anterior havia sido aos 66 dias. “Parece pouco, mas quanto maior o intervalo entre a semeadura e a primeira aplicação, menor o número de aplicações necessárias, menos produto é usado e menor é o custo”, diz Conte.

Ele destaca que o controle de pragas mais tardio, associado com a redução de intervenções, resultou em uma redução no custo equivalente a cerca de 1,8 saco por hectare. “Este valor torna-se expressivo diante do cenário atual de lucratividade restrita”, avalia Conte. O pesquisador ressaltou ainda como ponto positivo da safra 2016/17 a realização de 17 giros-técnicos, eventos em que a Embrapa e a Emater discutiram temas relacionados ao Manejo Integrado de Pragas e Doenças com quase 800 agricultores de todas as regiões do Estado. Esses resultados são decorrentes de acompanhamento feito em 163 Unidades de Referência, em propriedades rurais de 75 municípios assistidos pela Emater, no Paraná.
 

Monitoramento de insetos da soja

No treinamento, os extensionistas irão receber ainda uma caderneta de campo para o monitoramento de insetos da soja. Segundo o pesquisador André Prando, no manejo integrado de pragas as etapas de amostragem, registro e monitoramento das populações de insetos-pragas e inimigos naturais, presentes na lavoura, são cruciais para a tomada de decisão de controle.

A caderneta, no formato de bolso, facilita o registro, o transporte e o manuseio dos dados a campo e foi publicada com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-PR). “A caderneta também tem as orientações de como realizar as amostragens, além dos níveis de ação que devem ser considerados para tomada de decisão quanto à utilização de controle no MIP da soja”, diz Prando.
 

Manejo de ferrugem-asiática

Outra apresentação foi o resultado do monitoramento da incidência da ferrugem asiática nas lavouras de soja, nas propriedades assistidas. A partir de um protocolo técnico de trabalho estabelecido na safra 2016/17, coordenado pelo extensionista Jorge Gheller, foram instalados 93 coletores de esporos para monitorar a presença precoce do fungo causador da ferrugem-asiática.

A Emater utiliza há várias safras o modelo de coletor de esporos, idealizado por Seiji Igarashi, no qual há uma lâmina com fita adesiva dupla face que facilita a adesão dos esporos. “O objetivo é detectar a chegada do fungo à lavoura, e orientar o produtor sobre a necessidade ou não de realizar a aplicação de fungicida para controle da doença”, explica a pesquisadora Claudine Seixas, da Embrapa Soja.

Segundo a pesquisadora da Embrapa, enquanto a média de aplicação de fungicidas no Paraná foi de 2,4 pulverizações na safra 2016-17, nas propriedades assistidas em que as informações do coletor foram utilizadas, a média foi 1,5 pulverizações e sem diferença de produtividade. Também houve uma ampliação no tempo para primeira aplicação de fungicidas. No Paraná, os produtores, de uma forma geral, começaram a usar fungicidas 57 dias após a emergência da soja e nas unidades demonstrativas, apenas 75 dias depois.

“Nosso objetivo é que o agricultor faça suas aplicações sempre se pautando em critérios técnicos ao invés de antecipar/calendarizar as aplicações, o que pode ampliar a utilização de fungicidaspor problemas de resistência sem a real necessidade”, diz Nelson Harger. “Além do aumento do custo, essa prática pode favorecer maior pressão de seleção de fungos resistentes aos fungicidas”, afirma.

 


Fonte: SF Agro

 
 
 
voltar para home
 
Soja: manejo integrado de pragas e doenças reduz uso de defensivos em 45%
Na safra passada, estudo constatou a prorrogação da primeira aplicação de inseticida aos 70 dias de evolução da lavoura
2017-09-21

Estudos realizados pela Emater-PR e a Embrapa Soja, de Londrina, mostram que é possível reduzir o uso de defensivos nas lavouras de soja. Os técnicos vêm acompanhando as lavouras, por meio de unidades demonstrativas, onde adotaram técnicas de Manejo Integrado de Pragas e Doenças. Os resultados que apontam a redução no uso de fungicidas nas lavouras de soja no Paraná da safra 2016/2017 foram apresentados na terça-feira (19/09) durante evento em Londrina.

Para a apresentação desses resultados foram lançadas duas publicações: “Resultados do Manejo Integrado de Pragas da Soja na safra 2016/17”, editada pela Embrapa e Emater. E também “Monitoramento de  Phakopsora pachyrhizi para tomada de decisão do controle da ferrugem-asiática da soja: relato da experiência da Emater-PR na safra 2016-2017”.

“Pretendemos apresentar informações qualificadas aos técnicos para que eles auxiliem os produtores nas tomadas de decisão, referentes a alguns dos principais temas que impactam a produção de soja”, diz o coordenador do projeto Grãos da Emater-PR, Nelson Harger.
 

Redução na aplicação de fungicidas

Conforme os resultados apresentados, nas unidades demonstrativas instaladas pela Emater e Embrapa Soja, para acompanhamento do controle de pragas e doenças nas lavouras de soja do Paraná, foi constatada uma redução de 45% na aplicação de fungicidas na safra 2016/2017. Também foi constatada a prorrogação da primeira aplicação de inseticida aos 70 dias de evolução da lavoura, enquanto que na safra anterior a primeira aplicação havia sido aos 66 dias.

Em áreas em que não se fez o Manejo Integrado de Pragas, a média foi de 3,6 aplicações no Paraná, enquanto a aplicação de inseticidas foi reduzida para 2 aplicações nas áreas assistidas. “Confirma-se mais uma vez que o Manejo Integrado de Pragas é uma prática que orienta o produtor na redução do uso de inseticidas”, explica o pesquisador Osmar Conte, da Embrapa Soja.

Além disso, as unidades demonstrativas entraram com a primeira aplicação de inseticidas aos 70 dias, enquanto que na safra anterior havia sido aos 66 dias. “Parece pouco, mas quanto maior o intervalo entre a semeadura e a primeira aplicação, menor o número de aplicações necessárias, menos produto é usado e menor é o custo”, diz Conte.

Ele destaca que o controle de pragas mais tardio, associado com a redução de intervenções, resultou em uma redução no custo equivalente a cerca de 1,8 saco por hectare. “Este valor torna-se expressivo diante do cenário atual de lucratividade restrita”, avalia Conte. O pesquisador ressaltou ainda como ponto positivo da safra 2016/17 a realização de 17 giros-técnicos, eventos em que a Embrapa e a Emater discutiram temas relacionados ao Manejo Integrado de Pragas e Doenças com quase 800 agricultores de todas as regiões do Estado. Esses resultados são decorrentes de acompanhamento feito em 163 Unidades de Referência, em propriedades rurais de 75 municípios assistidos pela Emater, no Paraná.
 

Monitoramento de insetos da soja

No treinamento, os extensionistas irão receber ainda uma caderneta de campo para o monitoramento de insetos da soja. Segundo o pesquisador André Prando, no manejo integrado de pragas as etapas de amostragem, registro e monitoramento das populações de insetos-pragas e inimigos naturais, presentes na lavoura, são cruciais para a tomada de decisão de controle.

A caderneta, no formato de bolso, facilita o registro, o transporte e o manuseio dos dados a campo e foi publicada com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-PR). “A caderneta também tem as orientações de como realizar as amostragens, além dos níveis de ação que devem ser considerados para tomada de decisão quanto à utilização de controle no MIP da soja”, diz Prando.
 

Manejo de ferrugem-asiática

Outra apresentação foi o resultado do monitoramento da incidência da ferrugem asiática nas lavouras de soja, nas propriedades assistidas. A partir de um protocolo técnico de trabalho estabelecido na safra 2016/17, coordenado pelo extensionista Jorge Gheller, foram instalados 93 coletores de esporos para monitorar a presença precoce do fungo causador da ferrugem-asiática.

A Emater utiliza há várias safras o modelo de coletor de esporos, idealizado por Seiji Igarashi, no qual há uma lâmina com fita adesiva dupla face que facilita a adesão dos esporos. “O objetivo é detectar a chegada do fungo à lavoura, e orientar o produtor sobre a necessidade ou não de realizar a aplicação de fungicida para controle da doença”, explica a pesquisadora Claudine Seixas, da Embrapa Soja.

Segundo a pesquisadora da Embrapa, enquanto a média de aplicação de fungicidas no Paraná foi de 2,4 pulverizações na safra 2016-17, nas propriedades assistidas em que as informações do coletor foram utilizadas, a média foi 1,5 pulverizações e sem diferença de produtividade. Também houve uma ampliação no tempo para primeira aplicação de fungicidas. No Paraná, os produtores, de uma forma geral, começaram a usar fungicidas 57 dias após a emergência da soja e nas unidades demonstrativas, apenas 75 dias depois.

“Nosso objetivo é que o agricultor faça suas aplicações sempre se pautando em critérios técnicos ao invés de antecipar/calendarizar as aplicações, o que pode ampliar a utilização de fungicidaspor problemas de resistência sem a real necessidade”, diz Nelson Harger. “Além do aumento do custo, essa prática pode favorecer maior pressão de seleção de fungos resistentes aos fungicidas”, afirma.

 


Fonte: SF Agro

 
 
voltar

 
© 2017 PROMIP. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Sopa de Ideias
 
10 anos de PROMIP
FICOU INTERESSADO EM NOSSAS SOLUÇÕES?
FALE COM A PROMIP
Nome: E-mail: Mensagem:
Linkedin Facebook Instagram Youtube
Voltar
© 2017 PROMIP.
Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Sopa de Ideias